Hepatite B: Mitos e Factos

É importante ter um conhecimento rigoroso dos factos relativos à hepatite B, por forma a saber se pode ter a doença. Se existir esse risco é importante consultar um médico, fazer análises e o tratamento adequado.

Conheça os factos reais por detrás dos mitos da hepatite B:

Mito 1: As pessoas contraem hepatite B por comerem alimentos contaminados.

Facto 1: O vírus da hepatite B encontra-se no sangue e nos fluidos orgânicos de uma pessoa que esteja infectada. Só pode contrair hepatite B quem entre em contacto com um portador do vírus. Tal pode acontecer por se terem relações sexuais não protegidas, por se partilharem agulhas ou seringas e por se usarem objectos não limpos nas barbearias e nos locais onde se fazem tatuagens. Além disso, as mulheres grávidas podem transmitir o vírus aos recém-nascidos, na altura do parto.

Os profissionais de saúde estão, também, em risco de contrair hepatite B e, por conseguinte, deverão seguir os procedimentos adequados para se protegerem a si próprios.

Porém, existem outros tipos de hepatite, nomeadamente a hepatite A, a hepatite B, a hepatite C, a hepatite D, a hepatite E e a hepatite G. Tanto a hepatite A, como a hepatite E, podem transmitir-se através da ingestão de alimentos e de água contaminados. A hepatite B, contudo, só se transmite através do sangue e de fluidos orgânicos.


Mito 2: A hepatite B é uma doença rara e, por isso, a probabilidade de eu a contrair é pequena.


Facto 2: A hepatite B é uma das doenças infecciosas mais frequentes em todo o mundo. Mais de um terço da população mundial está infectada pelo vírus da hepatite B.1 Cerca de 350 milhões de pessoas em todo o mundo estão cronicamente infectadas.2 Isto significa que têm uma forma grave da doença que pode evoluir para doença hepática grave ou cancro do fígado. É urgente que as pessoas que estão em risco de contrair a infecção pelo vírus da hepatite B consultem o seu médico e façam análises.


Mito 3: As pessoas com hepatite B sabem que têm a doença porque têm sintomas, como a pele e os olhos amarelos

Facto 3: Muitas pessoas com hepatite B não se sentem doentes. Trinta por cento das pessoas infectadas com o vírus não têm quaisquer sinais ou sintomas de hepatite B.3 A única maneira de uma pessoa saber se tem hepatite B é perguntar ao médico assistente. Para ter a certeza, ele(a) pedirá uma análise de sangue para despiste de hepatite B (teste da hepatite B).


Mito 4: As pessoas com hepatite B vão ficar muito doentes e morrer em consequência de uma doença hepática grave ou de um cancro do fígado.

Facto 4: Cerca de 90% das pessoas infectadas com o vírus da hepatite B têm uma infecção aguda,4 que vai durar algumas semanas ou meses, mas em que a pessoa recupera totalmente, sem ficar com quaisquer problemas de saúde residuais.

Contudo, aproximadamente 10% das pessoas infectadas com o vírus têm hepatite B crónica.5 Trata-se de uma forma mais grave de infecção que pode evoluir para doença hepática grave ou mesmo cancro do fígado. Cerca de 15 a 25% das pessoas com hepatite B crónica morrem, eventualmente, em consequência do vírus.6


Mito 5: Com o passar do tempo, as pessoas com hepatite B acabarão por ter hepatite A e hepatite C.

Facto 5: Existem vários tipos diferentes de hepatite, cada um deles causado por um vírus diferente. Porém, a hepatite B não se transforma noutro tipo de hepatite. As pessoas infectadas pelo vírus da hepatite B continuam a estar em risco de se infectar com um dos outros vírus causadores de hepatites.

  • Hepatite A: A hepatite A é uma doença causada pelo vírus da hepatite A. Transmite-se, em regra, por entrar em contacto com as fezes de uma pessoa infectada. Isto deve-se à falta de hábitos de higiene, como não lavar as mãos depois de ir
  • Hepatite B: A hepatite B é causada pelo vírus da hepatite B e é uma das doenças infecciosas mais frequentes em todo o mundo. Transmite-se de uma pessoa infectada para outra através do sangue e dos fluidos orgânicos.
  • Hepatite C: A hepatite C é causada pelo vírus da hepatite C. Regra geral, transmite-se pelas transfusões de sangue. Actualmente, na maioria dos países, os dadores de sangue são submetidos a um rastreio para despiste do vírus antes de darem sangue a qualquer pessoa.
  • Hepatite D: A hepatite D é causada pelo vírus da hepatite D. O vírus da hepatite D precisa do vírus da hepatite B para sobreviver. Por vezes, pessoas com hepatite B contraem, também, hepatite D, porque ambas são transmitidas de uma pessoa para outra através do sangue e dos fluidos orgânicos.
  • Hepatite E: A hepatite E é causada pelo vírus da hepatite E. À semelhança do vírus da hepatite A, o vírus da hepatite E transmite-se por contacto com as fezes de uma pessoa infectada.
  • Epatite G: Não se sabe muito acerca do vírus da hepatite G, nem mesmo se ele provoca doença. Pode ser transmitido através de sangue contaminado, nas transfusões de sangue.

Mito 6: A vacina da hepatite B evita que as pessoas infectadas com o vírus da hepatite B adoeçam.

Facto 6: A vacina da hepatite B só é eficaz nas pessoas que não estão infectadas com o vírus da hepatite B.

Muitos países têm acesso a vacinas da hepatite B eficazes. Nesses países, a vacina da hepatite B é, muitas vezes, administrada aos bebés, à nascença.

As pessoas que já estão infectadas precisam de consultar o seu médico e perguntar-lhe quais os melhores tratamentos para controlar o vírus.


Mito 7: Posso herdar a hepatite B dos meus pais.

Facto 7: Só pode contrair hepatite B se estiver em contacto com sangue ou fluidos orgânicos de uma pessoa que esteja infectada com o vírus.

A hepatite B não pode ser herdada dos pais. Porém, as mulheres grávidas com hepatite B podem transmitir o vírus aos seus bebés durante o parto.

Referências

1 Organização Mundial de Saúde, http://www.who.int/mediacentre/factsheets/fs204/en/, acedido a 20 de Junho de 2007
2 Organização Mundial de Saúde, http://www.who.int/mediacentre/factsheets/fs204/en/, acedido em 20 de Junho de 2007
3 Centro de Controlo de Doenças, http://www.cdc.gov/ncidod/diseases/hepatitis/b/fact.htm, acedido em 1 de Agosto de 2007
4 Fundação Hepatite B, http://www.hepb.org/patients/acute_vs_chronic.htm, acedido em 20 de Junho de 2007
5 Organização Munidal de Saúde, http://www.who.int/mediacentre/factsheets/fs204/en/, acedido em 1 de Agosto de 2007
6 Departamento de Saúde de Wyoming, http://wdhfs.state.wy.us/aids/hepbasics.html, acedido em 20 de Junho de 2007